Oct 2, 2013

O objetivo deste trabalho é problematizar as classificações das afasias
de duas maneiras: 1) analisando a vigência da semiologia neurolingüística e
suas implicações práticas; 2) avaliando lugares institucionais de preservação e 
questionamento da classificação das afasias sendo eles: a academia e clínica.
O objetivo é entender sua vigência, a despeito das refutações de várias ordens
e de várias evidências empíricas que a questionam. Faz parte deste trabalho
colocar em foco os limites e alcances do método clínico, em relação ao
entendimento teórico e à conduta terapêutica no campo da afasiologia.
Assim, tendo em vista o discurso destes dois ambientes, o da academia
e o da prática clínica (o metadiscurso científico clínico sobre a classificação),
verificamos como é que uma lingüística não estruturalista, ou pós-
estruturalista, tem se comportado em relação a semiologia das afasias.
Admitindo que a teoria sócio-cognitiva é a que vai de acordo com a concepção
de linguagem que considera a relação da língua e sua exterioridade como um
fenômeno em construção, as bases explicativas dos fenômenos lingüísticos
mudam e, consequentemente, muda a maneira de fazer ciência, o movimento
das teorias das idéias, como, também, o método científico utilizado para se
chegar a uma classificação das afasias de modo que, fazer ciência passa a se
fundamentar em outras bases. 

Post a Comment:

Designed By Blogger Templates | Templatelib & Distributed By Blogspot Templates